Levantadora de peso trans bate recordes mundiais!

Levantadora de peso trans

Levantadora de peso trans bate quatro recordes mundiais em apenas um dia de evento. Você acha justo?

Bom, este é um assunto que divide opiniões em todo o planeta, mas contra fatos não há argumentos. Não pode ser mera coincidência que uma levantadora de peso transgênero tenha conseguido quebrar 4 recordes mundiais em apenas um único dia no evento Raw Powerlifting Federation. Que saber mais como ficou esta história? Confira o artigo até o fim!

A levantadora de peso (ou levantador, pra quem preferir) Mary Gregory — biologicamente homem, mas que compete com mulheres — anunciou sábado no Instagram a quebra de quatro recordes mundiais de mulheres em um único dia no evento Raw Powerlifting Federation: Masters world squat, open world bench press, masters world deadlift e masters world total.

No entanto, um par de medalhistas olímpicas — que por acaso são mulheres biológicas — criticaram a vitória de Gregory.

A primeira foi a ex-nadadora Sharron Davies, que ganhou uma medalha de prata pela Grã-Bretanha nos Jogos Olímpicos de Verão de 1980. Davies — que tem sido sincera contra as mulheres transgêneras competindo contra as mulheres biológicas — twittou que Gregory tem um “corpo masculino com fisiologia masculina” e que “uma mulher com biologia feminina não pode competir. É um campo injusto, sem sentido”.

Dame Kelly Holmes, que ganhou duas medalhas de ouro — em provas de 800 e 1.500 metros — pela Grã-Bretanha nas Olimpíadas de 2004 em Atenas, observou que “é uma piada sangrenta e tudo está se preparando para que as mulheres biológicas boicotem certos eventos”.

“Que tenha uma categoria trans, se necessário, mas ainda melhor que tenha jogos trans. Caso contrário, estou começando a me preocupar com a reação e abuso que a comunidade trans vai começar a partir dos espectadores. Vai acontecer!”

LEIA TAMBÉM: CONFIRA OS NÍVEIS NORMAIS DE TESTOSTERONA PARA O HOMEM DE ACORDO COM A IDADE

É justo aceitar atletas trans no esporte feminino?

Muita gente vai falar que sim, outros vão falar que não, e a discussão vai seguir pra sempr… O fato é que hoje já temos exemplos claros de que atletas trans levam vantagem em relação a atletas mulheres biológicas.

Atleta Trans Tifanny Pereira de Abreu do Vôlei

No Brasil temos o caso da jogadora Tifanny Pereira de Abreu, que atua na liga feminina de vôlei. Especialistas alegam que é injusto uma atleta transgênero disputar igualmente com uma mulher biológica, mesmo que atualmente seus níveis hormonais estejam iguais. Porém, é preciso levar em consideração que durante um fase da vida, o desenvolvimento da atleta foi em um corpo masculino. Explosão muscular, capacidade respiratória, estrutura óssea, etc, são fatores que nunca irão mudar!

Na nossa opinião, é totalmente injusto que atletas trans participem de ligas profissionais femininas, pois é claro que existe uma vantagem no meio disso tudo. Creio que a pressão pela igualdade de gêneros que temos hoje muito ativa no país, seja o principal fator para que casos como esses estejam acontecendo.

E você, o que acha disso? Acha justo ou injusto? Deixe seu comentário e até a próxima!

LEIA TAMBÉM: GH (HORMÔNIO DO CRESCIMENTO): O QUE É, PARA QUE SERVE, BENEFÍCIOS, PREÇO, COLATERAIS E COMO TOMAR

Sobre o autor

Planeta do Corpo

Os artigos com a assinatura "Planeta do Corpo" são escritos pelos nossos editores, leitores ou profissionais que disponibilizam seus conteúdos afim de contribuir com o Blog. O Planeta do Corpo é um portal informativo 100% gratuito. Todos os nossos artigos estão relacionados a suplementos alimentares, nutrição esportiva, musculação e saúde. Gostaria de colaborar com o conteúdo do site ou anunciar aqui? Entre em contato através do e-mail contato@planetadocorpo.com

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.


*